Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,14 4,14
EURO 4,56 4,56

Conselheiro do CNJ, Henrique Ávila diz em seminário do TJTO que vários conflitos são melhor solucionados com a ajudar de um mediador/conciliador

“É fundamentalmente uma mudança cultural. Já houve um tempo em que o principal trabalho da Justiça era dar a sentença”, lembrou o conselheiro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Henrique Ávila durante a palestra “Novos rumos da Justiça Conciliativa no Brasil”, última do III Seminário de Políticas Públicas de Tratamento Adequado de Conflitos e 4º Encontro dos Cejuscs do Poder Judiciário Tocantinense, encerrado na tarde desta quinta-feira (17/10), no auditório do Tribunal de Justiça do Tocantins (TJTO). Segundo o conselheiro, atualmente, a Justiça tem vários meios, chamados de meios adequados, porque há vários conflitos que são melhor solucionados com a ajuda de um mediador/conciliador.  “Ele realiza um bom acordo e soluciona com velocidade, com menos custos para as partes, para a própria Justiça e para o Estado”, explicou. “A gente quer que as pessoas entendam que é importante o diálogo e busquem solucionar seus conflitos de forma pacífica, e não através do litígio”, disse o presidente do Tribunal de Justiça do Tocantins, Helvécio de Brito Maia Neto, durante o encerramento do seminário. O juiz Manuel de Faria Reis Neto, coordenador do Núcleo Permanente de Métodos Consensuais de Solução de Conflitos (Nupemec), destacou que o diálogo deve sempre anteceder a judicialização. “Os métodos consensuais – a conciliação, a mediação, a Justiça Restaurativa – devem ser sempre a porta de entrada. Tem que haver uma tentativa de solucionar o conflito antes de litigar no Judiciário”, defendeu.  Também participou da mesa a juíza Maria Rita Manzarra de Moura Garcia, do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Norte. “A gente vê no Justiça em Números do CNJ a quantidade de processos que aumenta a cada ano, os juízes se desdobrando para julgar, mas ainda tem um passivo muito grande. Eu entendo que a conciliação é a melhor forma, porque a gente consegue resolver, as partes saem satisfeitas, ninguém sai com aquela sensação de que perdeu, todo mundo acha que ganhou um pouco, que é diferente de uma sentença. Então realmente é algo a ser estimulado”, disse a magistrada. Mesa redonda Ainda como parte da programação, a Mesa Redonda: Visão de Política Pública de Tratamento em Cada Instituição contou com a participação do juiz Manuel de Faria, do presidente da OAB Tocantins, Gedeon Pitaluga Júnior, do promotor de Justiça Luciano César Casaroti e da defensora pública Tatiana Borel Lucindo (substituindo o defensor público-geral Fábio Monteiro). “O grande interesse desse seminário foi tentar sensibilizar todas as instituições na política de pacificação social”, reforçou o coordenador do Nupemec.  Medalhas de honra O desembargador Helvécio e a desembargadora Ângela Prudente entregaram a medalha “Desembargador Antônio Rulli Júnior”, em comemoração aos 15 anos da Escola Superior da Magistratura Tocantinense (Esmat), e também a medalha comemorativa aos 30 anos do Poder Judiciário do Tocantins ao conselheiro do CNJ Henrique Ávila, ao presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), juiz Jayme de Oliveira, e à presidente da Associação dos Magistrados do Estado do Rio de Janeiro (, juíza Renata Gil.    
17/10/2019 (00:00)
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia